Livros de Poesia

Alegria
 

Bons dias, querida alegria!

Hoje tu me bates à porta,

e quão a tua companhia

tanto bem me faz e conforta.

 

Tempos vivi só d’alma fria,

mas para não dizer que morta,

pois, sem tua filantropia,

a minha vida andava torta.

 

A tua vinda benfazeja

a mim total me deixa leve,

dono de cartas sobre a mesa.

 

De novo, não me faças greve!

Sempre que tu me ris, alteza,

a gratidão flui onde deve.


Livro: "Novas Poemações - pág. 23

O sempre soneto
 

Um soneto prospera como a flora,

vai às pedras que gritam num deserto;

longe estando, desponta, aí por perto,

e a caneta, a dançar, papéis devora.

 

Inconsútil, por si, bastante esperto,

em quatorze alinhavos ele mora.

Vendo versos caolhos, sempre chora,

porque não acha nada disso certo.

 

Um soneto resiste às intempéries

e, longevo, costuma vir em séries,

como um verde sonoro da floresta.

 

Dos sonetos o sempre, a resistência:

onde deles a mão plantar essência,

já é certo também eu pôr a destra.


Livro: "Cem 100% Sonetos" - pág. 19

O Amor

Pode ser que te pegue de emboscada,

num olhar fulminante, de momento,

ou, ainda, também, se, desatento,

estiveres no val de uma sacada.

 

Ele nunca se nutre de argumento

— Só se enreda na data não marcada;

surge à tona, qual fosse aquela fada

que, de vez, te assaltou o pensamento.

Chega cedo, porém, às vezes, tarde;

temporão, mais intenso e tão no arde

que se fixa à maneira sanguessuga.

Uma vez arranchado no sujeito

sendo certo, profundo e muito a jeito,

um amor, nem querendo, bate em fuga.

Livro: "Cem Sonetos Insubmissos - pág. 63